A reminder

Um belo texto aqui: 

“A Internet é o fim da profissão de jornalista. Ou pelo menos da dignidade dela. O mais digno, barrigudo e pomposo jornalista corre o risco de ser xingado por um molequinho em Mogi das Cruzes. Ou de ser contestado num detalhe qualquer por um sujeito vagamente desequilibrado que mora entre pilhas de jornais velhos no Baixo Leblon. Não importa se o texto estava liricamente, solenemente, melancolicamente, maravilhosamente escrito. O sujeito do Baixo Leblon coloca logo abaixo do texto: “Adolpho Bloch nunca disse isso, e posso provar” – seguido de nove parágrafos com citações, inclusive, do próprio Adolpho Bloch dizendo que nunca disse isso. Logo abaixo, uma mensagem do molequinho de Mogi das Cruzes: “Hua hua hua hua! O cara mentiu malandro! Se liga mané!!!!!!! Valeeeeeeuuuuuuu!!!!” ” (Alexandre Soares Silva)

E uma bela resenha aqui:

“Como eu tenho o péssimo costume de não falar sobre sexo, vivo procurando outros meios para me destacar e claro que nunca consigo porque é realmente difícil competir a atenção com alguém que está sem as calças. Não é verdade? Todo mundo acha muito legal, muito descolado falar sobre sexo na frente dos outros, muito natural, porque, alôoo, estamos no século XXI e etc., mas eu acho tão inconveniente falar sobre pinto e bunda. Será que só eu acho isso? Será que só eu acho de mau gosto uma conversa sobre pinto e bunda? Pra mim é estranho entender como alguém, tendo todos os assuntos do mundo, resolve falar sobre pinto e sobre bunda. A esta altura, minhas leitoras moderninhas já estão pensando “vai ordenhar vaca, ô puritano filho-da-puta”, mas não é puritanismo, não recrimino o sexo. Só acho que as pessoas deveriam ter a tendência natural de evitar falar sobre isso, como deveriam ter a tendência natural de evitar comer com os pés. Só isso.” (Edward Bloom)

*

Eu vou levando. Ando com a leitura um bocado esburacada, tenho começado alguns livros mas não terminado. Bom, terminei O Caminho de Swann. Lí Biajoni e Galera. Reli uns trechos de Lolita. E falando em Nabokov, estou bastante ansioso para ler Ada ou Ardor. Semana que vem recomeçam as minhas aulas e terei que lidar com economia. Okay. Ótimo.

Minha noiva leu De Profundis, do Oscar, e ficou de me escrever suas impressões para que eu postasse, mas ainda não o fez. Acho que jamais conheci uma mulher que tivesse lido De Profundis, no duro mesmo.

Vou alí almoçar, sim?

Anúncios

25 comments so far

  1. Fran on

    muito prazer, já li tb “De Profundis”! rs

    cade o blog da sua noiva? se ela não tem um, deveria.

    😉

  2. Edward Bloom on

    Thanks pal =]

  3. Edson Junior Lain on

    Não, Fran, ela não tem um.

  4. Caroline on

    Escrevo no Blog o que passa dentro de mim.
    Ao contrario do que você disse, estou ME julgando…
    Hajo conforme o outro age… infelizmente.

  5. Caroline on

    Ajo. aliás….

  6. Lino Resende on

    Cadê o post? Não apareceu!

  7. elisabetecunha on

    EDD, almoçou? escrevi eu mesminha ( nem adianta achar ruim…] post novinho!!!! bjs! na Natt!!! 🙂 manda ela ler, ok?

  8. elisabetecunha on

    Edson Lain, apareça com a Natália no Encanto, urgente!
    sem mais! elisabete cunha

  9. Alessandro Martins on

    Talvez o Bloom devesse lembrar que existe um jeito agradável de se falar sobre sexo. Falar sobre coisas agradáveis como essas de um modo agradável – e não como se vê hoje por aí – tornaria o mundo menos neurótico e mais amável. Assim como comer com os pés, creio. Mas duvido que ele já tenha visto alguém comer com os pés. Não de maneira agradável pelo menos.

  10. Fernando Carvalho on

    Não esperava que tirasse o link

  11. tina oiticica on

    Gostei muito dos textos de hoje, Ed. Muito mesmo. Li Oscar Wilde quando tinha dezesseis anos. Talvez devesse lê-lo de novo. às vezes me sinto envergonhada com papos de como é que você trepa ou não trepa; no mais, não me incomodo de escrever besteirol que envolva sexo.

    E você gostou do Swann’s Way? Eu gostei mas não li o resto, bad girl.

  12. Não li De Profundis, mas desenhei a capa da coletânea de bandas darks lançada pela Baratos Afins que levava esse nome. Na verdade eu li outro livro do Wilde, mas minha mulher adora o cara, deve ter ter lido no duro esse livro.

    Falar de sexo é realmente natural, mesmo que desagradável, embora algumas pessoas saibam escrever sobre o assunto no duro (desculpe o trocadalho).

    Por fim, estou lendo (e já recomendo) “A guerra dos Gibis” e aguardando o lançamento da revista Mundo dos Super Heróis, onde escrevo matérias absolutamente relevantes para as todas as pessoas.

    Também estou terminando de ler (simultaneamente ao primeiro livro) “Crónica de una muerte anunciada” de Gabriel García Márquez (é um livro de 1981), além de ter visto até o 7º capítulo de Battlestar Galactica que está na terceira temporada – tudo altamente recomendado.

    Só pra constar – gostei do teu blog.

  13. Gabs on

    Bem-feito para os jornalistas que se acham dignos e pomposos, porque na verdade só são velhos, barrigudos e esnobes.

    Não que a sabedoria popular seja necessariamente sábia, mas, sou jornalista, conheço essa raça desgraçada. É bom que essa pseudo-exigência do povo e o acesso irrestrito à informações force a classe a ser um pouco mais cuidadosa e humilde.

    E ah, eu já li De Profundis. Li com 16 anos, no auge do meu goticismo. Eu já li quase tudo do Wilde, aliás, tenho várias edições de seus poemas e contos. Ele é um dos meus escritores prediletos. E é, com certeza, ,minha personalidade predileta.

  14. Gabs on

    Uma pessoa que não acha natural falar sobre sexo é porque não encara o dito cujo como algo natural.

    Sexo é tão natural quanto comer, dormir e ir ao banheiro. É uma função fisiológica.

    As pessoas mitificam o sexo.

    Acho que devemos escolher as pessoas com quem falamos de sexo, mas devemos falar sobre, sim senhor.

    Se cerca de 40% das mulheres brasileiras nunca tiveram um orgasmo sequer, mesmo com o assunto sendo abordado à exaustão, imagine se ele for um tabu.

    Mr Edward Bloom tem um grave problema com o próprio corpo. Será ele britânico?

    Se for, então é cultural….

  15. Edson Junior Lain on

    Escocês, né Bloom?

    Gabs, Wilde também é uma das minha diletas personalidades.

  16. w.Moscolini on

    Não, não sou poeta e acredito não possuir dom para isso… mas pode me considerar um romantico nostálgico… acho que se enquadra um pouco melhor em meu perfil de escrita.

  17. Natália on

    Amor, desculpe-me por não ter escrito minhas impressões, mas já falei várias vezes sobre elas.
    Assim que brilhar uma luz, eu escrevo tá.
    E saiba que eu também fiquei muito fã do Wilde e pretendo ler todos os livros este ano, bom, isso se a faculdade deixar.

    Beijos

  18. Edward Bloom on

    Pô, a diversão da polêmica ficou toda no seu blog, droga. No meu não apareceu ninguém dizendo que “pra falar isso não deve saber o que é sexo”, coisa do tipo. Acho que tem algo no meu blog, alguma vibração boa que afasta os espíritos do mal. Sem querer eu devo ter colocado algo equivalente virtual a um espelhinho na porta do meu blog, ou uns pedaços de sal grosso pelos cantos. Vou comprar um livro de I-ching e fazer tudo ao contrário. Espero que funcione =]

  19. Edward Bloom on

    Eu sou brasileiro cara. Não sei, algo deu errado.

  20. Caroline on

    Ow…. eu tambem li De Profundis…
    Esqueceu é????

  21. kkkarol on

    Mentira… agora ta tocando “Natalia”
    🙂

  22. Fran on

    profundamente
    profunda a mente

  23. elisabetecunha on

    Edson: o post bombou cara!!!! Graças a vc!!!
    beijão!! Obrigada Natt pela doce visita!!! 🙂

  24. Alessandra Carvalho on

    Eu acho que o Bloom tem que escrever sobre sexo, por umas metáforas na coisa. Não precisa nem entrar em detalhes…rs. Mas, Bloom, por favor, não use aquele pervertido do Henry Miller como inspiração…rsrsr… (aquele lá fazia questão de jogar metáforas no lixo). E Edd, estou louca pra começar a ler NEVE, que ganhei no fim do ano… mas até agora, só tô tentando terminar 03 que comecei ano passado. 😉 bjs (em breve mudarei para um endereço no wordp)

  25. CandyShopGirl on

    Hello!

    What do you think about Tokio Hotel? >:)


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: