(ex)perimentalismo

Parou no topo do morro e inspirou o ar que achava puro, num momento de íntima paz que raramente se tem num dia dos dias de hoje, e disse que para si mesmo que seria feliz, mas que não o seria exatamente naquele momento porque a felicidade é coisa que afasta a inspiração, e isso ele aprendeu com o poeta que leu. Quis olhar estrelas, mas era dia e só o que via era o sol queimando a feia  paisagem que se podia ver alí, daquele monte sujo mas romanticamente amarelado.

Anúncios

4 comments so far

  1. dr. k on

    É por isso que eu só me levanto no topo de muros.

    Ei, qual é o truque pra pôr o last.fm aí?

  2. tina oiticica on

    Espero que a paisagem feia não tenha acabado com os sentimentos de felicidade do carinha. Ora, direis? Contar estrelas?

  3. Observador on

    Você tem potencial, escreve bem.
    Mas acho que você/ou quem tenha escrito deveria usar menos a palavra “que”. Contei umas nove nesse testículo.
    Boa sorte.

  4. Edson Junior Lain on

    Oh, observei, observador.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: