Ao Vencedor, as Batatas

Citei Machado de Assis num post anterior, o que me fez lembrar de Quincas Borba, que, creio, é sua melhor obra. A teoria Humanitas, a idéia de que não há morte:

 — Não há morte. O encontro de duas expansões, ou a expansão de duas formas, pode determinar a supressão de uma é a condição da sobrevivência da outra, e a destruição não atinge o princípio universal e comum. Daí o caráter conservador e benéfico da guerra. Supõe tu um campo de batatas e duas tribos famintas. As batatas chegam apenas para alimentar uma das tribos, que assim adquire forças para transpor a montanha e ir à outra vertente, onde há batatas em abundância; mas se as duas tribos dividirem em paz as batatas do campo, não chegam a nutrir-se suficientemente e morrem de inanição. A paz, nesse caso, é a destruição; a guerra é a conservação. Uma das tribos extermina a outra e recolhe os despojos. Daí a alegria da vitória, os hinos, aclamações, recompensas públicas e todos os demais efeitos das ações bélicas. Se a guerra fosse isso, tais demonstrações não chegariam a dar-se pelo motivo real de que o homem só comemora e ama o que lhe é aprazível ou vantajoso, e pelo motivo racional de que nenhuma pessoa canoniza uma ação que virtualmente a destrói. Ao vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas.(Cap. VI)

“A guerra é a conservação”, diz Machado; “Guerra é paz”, Diz George Orwell. Apesar da aparente concordância entre os autores, Quincas Borba é um livro impregnado de pessimismo e rabugice – assim como Memórias Póstumas de Brás Cubas -, enquanto que 1984 de Orwell não: aqui o que há é um realismo assustador, quase imponderável, que nos faz pensar “esse livro é sobre nossos dias”. Quanto às batatas, quem as herdará?

Anúncios

6 comments so far

  1. Edward Bloom on

    A melhor eu não sei, mas a pior é Dom Casmurro de longe.

  2. Fran on

    esses seus posts que me fazem pensar e pensar…rs

    🙂

  3. Lino Resende on

    Considero 1984 sombrio. E não consigo compará-lo com o hoje, mas o vejo como uma metáfora ao totalitarismo e à possibilidade de um controle que, de tão forte, acaba por torcer conceitos.

  4. Rosangela on

    Gosto muito de Memórias Póstumas de Brás Cubas. O capítulo final, Das Negativas, é tocante. Sobre as batatas, acho que o Roberto Schwarz pode responder bem essa questão.

    Abraços! Belo blog!

  5. Natália on

    Oi amor

    Quanto às batatas, quem as herdará?
    Quanto às consequências, quem assumirá.

    Ótimo texto.

    jim

  6. Ana Pratalli on

    Adoro Dom Casmurro. Seria o livro da minha vida se eu não tivesse lido Cem Anos de Solidão…


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: